Arquivo da tag: Internacional

Cristiano Ronaldo supera Zidane e se torna a negociação mais cara do futebol

Real Madrid foi o destino das quatro maiores contratações, com Cristiano Ronaldo, Zidane, Kaká e Luis Figo

Cristiano Ronaldo é a negociação mais cara da história do futebol, superando Zidane

A contratação do atacante português Cristiano Ronaldo pelo Real Madrid por 94 milhões de euros, aproximadamente R$ 256.2 milhões, bateu o recorde do francês Zinedine Zidane, incorporado à mesma equipe em 2001 por 75 milhões de euros, cerca de R$ R$ 204.4 milhões.

Na falta da confirmação oficial do acordo com o jogador português, que já está fechado, segundo fontes do clube, os 94 milhões de euros que custou representam 19 milhões a mais que o Real Madrid desembolsou por Zidane na primeira etapa de Florentino Pérez na Presidência do clube espanhol.

O Real Madrid foi o destino das quatro contratações mais caras na história do futebol, com Cristiano Ronaldo, Zidane, Kaká e Luis Figo.

Esta é a lista das dez contratações mais caras na história do futebol, segundo fontes dos clubes de procedência ou, em outros casos, números que saíram na imprensa:

Os dez mais caros da história
Cristiano Ronaldo (Manchester United para o Real Madrid, em 2009) 94 milhões de euros (R$ 256.2 milhões)
Zidane (Juventus ao Real Madrid, em 2001) 75 milhões de euros (R$ 204.4 milhões)
Kaká (Milan ao Real Madrid, em 2009) 65 milhões de euros (R$ 177.1 milhões)
Figo (Barcelona ao Real Madrid, em 2000) 61 milhões de euros (R$ 166.2 milhões)
Crespo (Parma ao Lazio, em 2000) 56 milhões de euros (R$ 152.5 milhões)
Mendieta (Valencia ao Lazio, em 2001) 48 milhões de euros (R$ 130.7 milhões)
Ferdinand (Leeds ao Manchester United, em 2002) 47 milhões de euros (R$ 128.1 milhões)
Shevchenko (Milan ao Chelsea, em 2006) 46 milhões de euros (R$ 125.4 milhões)
Verón (Lazio ao Manchester United, em 2001 46 milhões de euros (R$ 125.4 milhões)
Buffon (Parma ao Juventus, em 2002) 45 milhões de euros (R$ 122.6 milhões)

Fonte:  Globoesporte

1 comentário

Arquivado em Curiosidades, Esportes, Notícias

Fenômeno Susan Boyle perde programa de calouros no Reino Unido

Cantora foi superada pelo grupo de dança Diversity e ficou em segundo.
Ela apresentou música que a consagrou, ‘I dreamed a dream’.

Apesar das expectativas, Susan Boyle perdeu o ”Britain’s got talent” (Foto: Reprodução)

O mundo todo esperava, mas o público que votou na grande final do programa “Britain’s got talent” não quis: Susan Boyle, maior fenômeno recente da música britânica perdeu o prêmio principal para um grupo de dançarinos chamado Diversity.

A última etapa da atração aconteceu neste sábado (30), e Boyle deixou de faturar o prêmio de 100 mil libras (aproximadamente R$ 320 mil), e a oportunidade de se apresentar diante da rainha, durante o Royal Variety Show.

Ao saber da notícia, Boyle afirmou: “As melhores pessoas venceram. Desejo a vocês o melhor”. Questionada sobre seus planos, ela disse que quer lançar um disco. E encerrou: “Que jornada! Foi inacreditável e uma lição de humildade”.

Vestindo um elegante longo prateado –bem diferente do estilo simples apresentado na primeira etapa da da competição–, ela cantou a mesma música que a consagrou: “I dreamed a dream”, do musical “Les misérables” (assista ao vídeo da apresentação).

No fim da apresentação, disse que queria agradecer o apoio de todos, de sua cidade natal e também do público. “Foi uma semana de muita pressão para todos nós. Mas valeu muito a pena. Me sinto em casa no palco. Afinal, estou entre amigos”, afirmou Boyle.

Após o show, a escocesa foi aplaudida de pé tanto pelo público quanto pelo jurados, que a exemplo das outras apresentações, foram só elogios para a cantora. “Você foi o centro das atenções do mundo, saíram notícias negativas a seu respeito. Mas eu só conseguia pensar que, para responder aos críticos, você deveria subir neste palco e cantar a canção pela qual nos apaixonamos, ainda melhor do que na última vez”, afirmou Piers Morgan, um dos jurados. “Eu deveria ser imparcial, mas esqueça! Você é a melhor e deveria vencer essa competição.”

Conhecido como durão, Simon Cowell também apoiou a competidora. “Você tinha todo direito de sair do programa. Muita gente disse que você não deveria estar aqui. Ganhando ou perdendo, você voltou, enfrentou os críticos e os superou. Isso é o mais importante. O que quer que aconteça, você pode sair daqui de cabeça erguida.”

Diversity

Foto: Reprodução

O grupo Diversity venceu Susan Boyle no show de calouros (Foto: Reprodução)

O grupo de dançarinos que surpreendeu ao deixar Boyle em segundo conquistou o Reino Unido com uma dança cheia de acrobacias ao som de um mix de rap e dance music, com efeitos eletrônicos.

Muito aplaudido pelo público e também pelos jurados após o show (veja aqui), os integrantes afirmaram estarem muito satsifeitos por ter chegado tão longe na competição.

Os jurados, no entanto, se mostraram mais otimistas. Amanda Holden apostou na vitória do grupo, e Simon chegou a afirmar que lhes daria nota 10, definindo sua apresentação como “perfeita”.

Pronta para faturar

A escocesa de cabelo rebelde, não se parece em nada com uma estrela. É gordinha, de aparência melancólica e não tem o sorriso típico das celebridades. Mas sua voz de ouro a tornou uma das favoritas no “Britain’s got talent” e celebridade da internet. O vídeo da primeira apresentação da caloura no programa já ultrapassou a marca dos 60 milhões de acessos no YouTube.

Com um fã-clube de famosos, que inclui a atriz Demi Moore e a cantora Cyndi Lauper, Boyle ofuscou todos os outros candidatos. Especialistas na área de entretenimento afirmaram ao jornal “Telegraph” que o interesse do público por Boyle não deve diminuir com o fim do programa. Paul Pott, primeiro vencedor da atração em 2007, faturou quase cinco milhões de libras, e a cantora escocesa deve superá-lo facilmente.

Alguns grandes nomes da música já manifestaram vontade de gravar com Boyle. Elaine Paige, a heroína da competidora, e Andrew Lloyd Webber também consideraram parcerias com ela. Fontes da indústria fonográfica cogitam, no entanto, que a prioridade de Boyle é gravar um álbum para o selo Syco, de Simon Coweel, produtor e jurado do programa.

As apostas para o álbum são grandes, já que Boyle, ao contrário dos competidores anteriores do “Britain’s got talent”, ganhou fama internacional e sua vida vem sendo acompanhada dia-a-dia por paparazzi, jornalistas e pelo público do mundo todo. Sua simples aparição provoca tanto ou mais comoção do que sua música.

Mas até agora o sucesso não trouxe nenhum retorno financeiro para Boyle. “Pelo que podemos perceber, não acho que ela teve retorno financeiro algum, o que é uma vergonha”, explica Matt Fiorentino, porta-voz da Visible Measures, uma empresa de Massachusetts que acompanha os sucessos do YouTube.
“Nós contamos centenas de milhares de comentários sobre ela, e o público está ávido por um álbum. As pessoas realmente se apaixonaram por ela”, diz Fiorentino.
Segundo ele, a primeira performance de Boyle – quando ela surpreendeu os céticos jurados e a plateia com sua voz de anjo – foi perfeita para o YouTube. Se tornou o quinto vídeo mais visto de todos os tempos. “Ela tem a história perfeita para este tipo de mídia”, avalia Fiorentino. “As pessoas a julgaram pela aparência, e aí ela revelou essa voz fantástica e se tornou um sucesso.”

Vizinhança

Foto: Derek Blair/AFP

Vizinhos colocaram mensagens de apoio nas janelas das casas em Blackburn (Foto: Derek Blair/AFP)

A competição se tornou o único assunto em Blackburn, o pequeno vilarejo escocês onde Susan Boyle era uma cantora comum nas noites de karaokê do pub local. “Estamos todos torcendo por ela”, contou o gerente do pub Jackie Russel, antes da final do programa. “O melhor ainda está por vir”, apostou, certeiro.

Telões foram instalados no vilarejo e estava prevista uma festa no centro comunitário onde Susan era voluntária.

Fonte: G1

Deixe um comentário

Arquivado em Entretenimento, Música, Notícias

Clubes Brasileiros fecham 2007 no vermelho

De 21 clubes analisados por empresa de auditoria, 15 terminaram o ano passado com mais gastos do que receita. Fluminense teve o maior déficit

Josué: um dos responsáveis pela receita do São Paulo, a maior entre os brasileiros

Os principais clubes brasileiros aumentaram suas receitas em 2007 em relação ao ano anterior. No entanto, não foi suficiente para que a maioria deles terminasse o ano passado no vermelho, ou seja, com mais gastos do que ganhos. O maior déficit é do Fluminense, que terminou 2007 com uma dívida de quase R$ 140 milhões (veja tabela abaixo).

O clube das Laranjeiras teve o segundo maior gasto entre os 21 clubes analisados pela empresa Casual Auditores Independentes (R$ 178 milhões), ficando atrás apenas do São Paulo (R$ 186 milhões). A diferença é que o Tricolor Paulista teve a maior receita do futebol brasileiro: R$ 190 milhões.

Outros clubes que fecharam o ano passado com déficit grande foram Flamengo, Santos, Atlético-MG, Palmeiras e Corinthians. Os seis clubes que tiveram uma receita maior do que os gastos foram São Paulo, Inter, Grêmio, Juventude, Atlético-PR e Barueri.

O FATURAMENTO DOS CLUBES EM 2007 (em R$ mil)
Receita Gastos Balanço
São Paulo 190.081 186.233 3.848
Internacional 155.881 136.953 18.928
Corinthians 134.627 157.891 -23.264
Grêmio 109.031 94.333 14.698
Flamengo 89.499 148.732 -59.233
Palmeiras 86.290 110.479 -24.189
Cruzeiro 77.650 80.500 -2.850
Juventude 62.147 51.572 10.575
Atlético-MG 58.326 85.909 -27.583
Atlético-PR 54.091 52.492 1.599
Santos 53.102 89.714 -36.612
Vasco 51.079 60.331 -9.252
Botafogo 41.160 44.893 -3.733
Fluminense 39.335 178.792 -139.457
Paraná 24.910 25.298 -388
São Caetano 23.252 23.467 -395
Barueri 21.004 18.995 2.009
Náutico 19.561 23.853 -4.292
Figueirense 18.981 19.467 -486
Coritiba 14.916 26.324 -11.408
Vitória 11.215 20.582 -9.367

Inter, que negociou Pato em 2007, foi o clube com a maior receita em venda de jogadores

No total, os 21 clubes brasileiros apresentaram uma receita de R$ 1,34 bilhão – 36% a mais do que em 2006. O aumento foi determinado sobretudo pela venda de jogadores, que representou R$ 450 milhões. O maior responsável por esse número foi o Inter (21%), seguido de São Paulo (17%), Corinthians (16%) e Grêmio (12%). Sócios e bilheteria também contribuíram para essa evolução. Por outro lado, a receita com patrocínio e publicidade diminuiu de 2006 para 2007.

Os três primeiros colocados no ranking de receitas mantiveram suas posições em relação ao ano anterior. O São Paulo foi o campeão nesse quesito pela segunda vez consecutiva, graças principalmente à venda de jogadores e às receitas obtidas com o Morumbi.

O Inter, no segundo lugar, também teve seus números impulsionados pela negociação de atletas. Os sócios colorados também contribuíram para a receita de quase R$ 156 milhões. Eles geraram R$ 20,1 milhões em 2007, o que representou 69% de aumento. O Corinthians manteve a terceira colocação também por causa da venda de jogadores (que representou um aumento de 249% em relação a 2006).

O grande salto na tabela foi dado pelo Grêmio, que deixou de ser o 11º e se tornou o quarto clube com maiores receitas em 2007. As razões para essa evolução foram negociação de atletas, bilheteria e sócios.

Situação financeira dos clubes

Considerando-se a situação financeira dos clubes até o fim de 2007, três cariocas estão entre os quatro clubes com as maiores dívidas. O Flamengo está no topo desse ranking, devendo mais de R$ 242 milhões. O Atlético-MG vem a seguir, com R$ 214 milhões de dívidas. O Botafogo tem R$ 209 milhões no negativo, enquanto o Fluminense tem R$ 164 milhões.

Apenas cinco clubes não estão no vermelho: São Paulo, Juventude, Atlético-PR, Santos e Barueri.

Atlético-PR 37.733
Juventude 9.700
Santos 7.421
São Paulo 5.138
Barueri 2.009
São Caetano -996
Figueirense -2.875
Cruzeiro -3.993
Paraná -4.964
Palmeiras -24.189
Coritiba -25.864
Vasco -31.956
Internacional -32.789
Náutico -34.839
Corinthians -62.481
Grêmio -78.961
Vitória -88.558
Fluminense -164.860
Botafogo -209.698
Atlético-MG -214.377
Flamengo -242.401
OBS: Em R$ mil

Fonte: Globoesporte.com

2 Comentários

Arquivado em Esportes

Mick Jagger diz estar ciente de que prestará contas ao diabo

Fazer show para Jagger é algo
Fazer show para Jagger é algo “transcedental”

Do alto de seus 64 anos, Mick Jagger reconhece que já não é mais o garotão do começo de carreira e assume temer o dia em que não poderá subir aos palcos.

“Um dia terei de acertar minhas contas com o diabo, como Fausto (personagem do alemão Goethe). Mas por que deixar de desfrutar do sol de hoje para pensar nas nuvens de amanhã?”, indaga Jagger em entrevista publicada na última edição da versão alemã da revista Playboy.

Segundo o cantor, se apresentar ao vivo é algo que vai além de um compromisso profissional.” Há momento de pura felicidade, algo como uma experiência transcedental. Conversei com cantores de corais de igreja que reconhcem que há momentos em que não sabe onde estão. Às vezes acontece o mesmo comigo. É muito forte”, ratificou Jagger.

Ao longo da entrevista, o líder dos Rolling Stones falou sobre vários assuntos tais como a longevidade da banda, o sexo e as drogas.

Fonte: Letras.com

Deixe um comentário

Arquivado em Música