Na busca por emprego, Orkut pode ser a pedra no caminho


Ana Cláudia Maffra, diretora de RH da consultoria Equipe Certa, fala sobre como o funcionário deve se comportar na internet para não ter seu emprego ameaçado - foto: Luis Alvarenga / Extra

‘Eu trabalho com gente chata’, ‘Chefe saiu = MSN, Orkut’, ‘Eu faço sexo no trabalho’, ‘Eu durmo no trabalho’. Se você faz parte de comunidades como essas e está à procura de emprego, é bom mudar de estratégia. O perfil do site de relacionamentos Orkut informa muito sobre o comportamento e a personalidade dos candidatos e virou uma fonte preciosa de informação para os recrutadores.

No fim do ano passado, uma pesquisa do site internacional CareerBuilder.com, feita com 3.169 executivos da área de Recursos Humanos, mostrou que um em cada cinco empregadores investiga a vida dos candidatos em sites de relacionamento. E um terço desses ‘detetives’ descarta concorrentes com base naquilo que descobre.

– A tendência é a de que as empresas passem a fazer uma busca pelo nome do candidato na internet como um todo, não somente nas redes sociais – prevê a diretora da consultoria de RH Equipe Certa, Ana Carolina Maffra.

A tendência é a de que as empresas passem a fazer uma busca pelo nome do candidato na internet como um todo, não somente nas redes sociais


A consultora da empresa Ribeiro & Brito Solange Ribeiro alerta que, em muitos casos, o jovem acaba mostrando na rede uma pessoa que não é:

– Conheço uma menina que é inteligente e responsável no trabalho. Mas, no site, se mostra em fotos sensuais. É essa imagem que ela vai passar para quem não a conhece.

Ana Carolina sugere que o candidato se coloque no papel do recrutador e analise sua página com olho clínico:

– É preciso ter coerência. Não dá é para uma pessoa interessada numa vaga de informática participar de uma comunidade ‘Eu odeio tecnologia’.

As consultoras Solange Ribeiro e Irani de Souza usam o orkut como ferramenta de trabalho para investigar candidatos - foto: Luis Alvarenga / Extra

Reputação virtual é importante

Na década de 1960, o sociólogo canadense Marshall McLuhan afirmava que uma organização baseada nas mídias eletrônicas levaria ao surgimento de uma ‘aldeia global’. Hoje, os habitantes desse território virtual devem, mais do que nunca, ficar atentos ao velho conselho que os pais do interior dão para as filhas: ‘cuidado com a reputação!’.

A distinção radical entre os perfis online e a vida corporativa pode, sim, prejudicar não só aqueles que procuram emprego, mas também os que já estão no mercado de trabalho.

– O internauta tem que pensar em si como se fosse uma empresa e avaliar se determinada exposição vai ou não afetar sua imagem – sugere a diretora da consultoria de RH Equipe Certa, Ana Carolina Maffra.

Para alertar seus funcionários sobre a importância da reputação online, a empresa Media Factory ministra um curso de ‘etiqueta virtual’.

– Eles usam ferramentas como o Messenger para falar com clientes. Por isso, devem ter foto e nickname (apelido) respeitáveis – diz o presidente da empresa, Leandro Kenski.

Ele aconselha que candidatos e empregados procurem seus nomes no site de buscas e analisem a informação que aparece:

– Ser achado é importante. Mas é preciso saber em que circunstâncias.

Irani anuncia vagas de emprego em seu perfil pessoal

Se tem gente que perde um emprego devido à má avaliação de seu perfil num site de relacionamentos, outros candidatos veem na ferramenta a possibilidade de conseguir uma chance. Além de dizer a todos os amigos que está à procura de uma recolocação no mercado e pedir indicações, o desempregado deve ficar atento às oportunidades oferecidas em comunidades de RH.

A consultora da empresa de seleção Ribeiro & Brito Irani de Souza aderiu ao uso da tecnologia e, em dois meses, já selecionou seis candidatos que entraram em contato com ela e enviaram seus currículos por meio de seu perfil pessoal no Orkut:

– Eu divulgo as vagas na minha página, e isso vira uma corrente. Mesmo que a pessoa que veja a mensagem não se interesse pela vaga, ela pode falar sobre a seleção a amigos.

Irani se diverte ao lembrar do encontro com os ‘candidatos virtuais’ nas etapas de um processo seletivo:

– As pessoas ficam me olhando de um jeito diferente, como se me conhecessem. Fico me sentindo uma artista.

Anonimato

Profissionais conservadores, que relutam em aderir à internet e preferem se manter anônimos na rede, podem perder oportunidades.

– A empresa que não tem um site na internet não é conhecida. O mesmo acontece com os profissionais – afirma a diretora da consultoria de RH Equipe Certa, Ana Carolina Maffra.

Ela alerta que, em determinadas áreas, se não há informação na rede sobre o candidato, isso pode indicar que ele não é experiente ou reconhecido no meio:

– No caso de quem trabalha como webdesigner ou com artes e comunicação, por exemplo, é preciso que o recrutador encontre blogs e trabalhos publicados do candidato.

Fonte: Extra.globo

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s